A dor da escassez de água

Matéria publicada em 26.11.2019

O Fórum Econômico Mundial (2012) já colocou as crises de fornecimento de água na parte mais alta da lista de riscos globais, com base na probabilidade e no potencial de impacto

Reserva de água doce escondida debaixo do Oceano Atlântico. (Imagem: BBC)

É possível encontrar indícios abundantes de dificuldade hídrica quando se procuram na internet notícias relacionadas a qualquer uma das fontes citadas no quadro abaixo:

Fontes de água doce mais esgotadas do mundo

Imagem retirada do livro Em Busca da Água. Todos os direitos reservados à Oficina de Textos.

Junto de seus alunos da Universidade da Virgínia, o cientista Brian Ritcher vem compilando um banco de dados global de impactos econômicos e outros causados pela falta de água (Conservation Gateway, 2013  Examples of the impacts of water shortages (www.conservationgateway.org/Files/Pages/examples-economic-impacts.aspx).

Sempre que encontra uma reportagem, um artigo de revista científica ou um site da internet que discuta os impactos da falta de água em algum lugar do mundo, registra as informações em nosso banco de dados. Algumas generalidades podem ser deduzidas do histórico dos muitos casos de escassez de água que se acumulam pelo mundo:

  • Os impactos econômicos de ficar sem água podem ser devastadores. O Estado do Texas perdeu quase US$ 9 bilhões de receita durante uma seca em 2011, grande parte em plantações que não puderam ser irrigadas por causa da falta de água. A China perde US$ 15 bilhões por ano devido ao esgotamento da água subterrânea e outros US$ 24 bilhões com a perda de disponibilidade hídrica em decorrência da poluição (The World Bank; State Environmental Protection Administration of China, 2007).
  • O custo de obter água adicional pode ser altíssimo. Quando as comunidades exaurem as fontes de água locais, água adicional terá de ser obtida em outro lugar. Talvez seja preciso construir adutoras para trazer água de outros locais ou usinas de dessalinização se tornem necessárias para transformar em água doce a água do mar ou a água salobra subterrânea. Essas opções têm um custo prévio elevado na construção e um custo alto e constante de energia elétrica para bombear e tratar a água.
  • A falta de água prejudica o funcionamento de sistemas de infraestrutura cinza (feita pelo homem) e verde (natural). Usinas elétricas e hidrelétricas não podem operar com toda a capacidade, a navegação e o transporte fluvial se interrompem, os rios não podem mais diluir e assimilar suficientemente os resíduos que recebem e os estuários deixam de produzir peixes e moluscos porque não há vazão de água doce suficiente para manter adequada a concentração de sal. O esgotamento da água é uma das principais causas de risco de extinção de espécies aquáticas.
  • A vida e a subsistência humanas ficam comprometidas. A falta de água pode ser fatal para muitos habitantes pobres de regiões do mundo em desenvolvimento sem acesso fácil a água potável. Quando as fontes locais de água secam ou ficam poluídas, muitos, geralmente mulheres e crianças, são forçados a percorrer grandes distâncias a pé para encontrar outra fonte, o que prejudica sua saúde e os impede de participar de outros tipos de trabalho ou frequentar a escola. O declínio da capacidade de muitas famílias pobres cultivarem a própria comida devido à falta de água provoca migrações em massa em muitas regiões de água escassa. Nos piores casos, há falências, divórcios, suicídios e esfacelamento de comunidades.
  • A qualidade de vida diminui. Tudo o que valorizamos na água corrente ou parada, como a recreação, as qualidades estéticas, as outras espécies que ela sustenta e seu culto em práticas espirituais, perde-se quando um rio ou lago seca.

GRANDE PROMOÇÃO DA OFICINA DE TEXTOS