Amazônia: satélite para monitoramento ambiental deve ser lançado em 2020

Matéria publicada em 19.9.2019

Programa espacial será responsável por fornecer dados para observar e monitorar o desmatamento especialmente na região amazônica

O monitoramento ambiental como ferramente para a proteção da Amazônia está prestes a ganhar um reforço. É que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão vinculado ao Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), anunciou para 2020 o lançamento do Amazônia-1, um satélite com a missão de fornecer imagens para o monitoramento ambiental e da agricultura em todo o território brasileiro com uma alta taxa de revisita.

Em agosto, o projeto passou por uma revisão crítica, que avaliou os objetivos da missão, carga útil (câmera) e todos os sistemas necessários para o funcionamento do primeiro satélite de observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil.

(Divulgação: Inpe)

Outra função da qual o Amzônia-1 está encarregado diz respeito ao monitoramento da região costeira, reservatórios de água, desastres ambientais, entre outras aplicações. A ideia é de que os dados fiquem disponíveis tanto para comunidade científica quanto para usuários interessados em uma melhor compreensão do ambiente terrestre.

Falando em Amazônia… Com rigor científico e escrito por renomados pesquisadores das mais importantes instituições brasileiras e internacionais, o livro Secas na Amazônia: causas e consequência (Editora Oficina de Textos), traça uma análise abrangente e criteriosa sobre os eventos climáticos extremos na região, de fundamental importância para a biodiversidade, o meio ambiente e a economia não apenas do Brasil, mas de todo o mundo.

(Divulgação: Inpe)

Além dele, a Missão Amazônia prevê o lançamento de outros dois satélites de sensoriamento remoto: Amazonia-1B e Amazonia-2.

Fonte: Portal Amazônia


Tudo a ver

Com um olhar geopolítico sobre a Amazônia, Um futuro para a Amazônia tem como ambição mostrar que o futuro desejado é possível. Mas qual o caminho para o futuro desejado para a Amazônia? A autora Bertha Becker, com sua visão original da floresta urbanizada, responde a essa questão.