Argilas vermelhas sob a extensa Avenida Paulista

Em Mecânica dos Solos Vol.1, Manuel de Matos Fernandes analisa esse perfil de solo brasileiro que encontra-se sob a famosa avenida de São Paulo

Quem vê a Paulista hoje não imagina que por baixo dela existem camadas de argilas vermelhas (Foto: Divulgação)

 

Você sabia que a cidade de São Paulo está construída sobre uma bacia sedimentar formada na Era Terciária (Períodos Paleógeno e Neógeno)? Pois é, a bacia em questão é de origem flúvio-lacustre, e apresenta solos extremamente variados, com um embasamento rochoso composto de rochas gnáissicas e graníticas.

Nas zonas mais altas da cidade, os solos sedimentares ficaram sujeitos a um intenso processo de intemperismo. Nesses locais, os solos mais superficiais que têm natureza argilosa sofreram laterização, o que deu origem a argilas vermelhas por via da concentração de óxidos de ferro.

Esses solos podem, por exemplo, ser encontrados na Avenida Paulista. Trata-se de solos não saturados com uma importante fração argilosa.

A primeira camada, devido a mais intensa laterização, apresenta uma macroestrutura muito porosa. O teor de umidade está sensivelmente abaixo do limite de plasticidade, o que corresponde a um índice de consistência superior a 1,0. Num solo argiloso “clássico”, saturado, isso corresponderia a uma consistência relativamente elevada”, explica o Professor Manuel Fernandes, doutor em engenharia civil pela FEUP.

Caráter colapsível

Todavia, a argila vermelha porosa exibe elevada compressibilidade quando carregada à superfície, devido ao elevado índice de vazios conferido pelo intemperismo.

Esse solo tem caráter colapsível, podendo exibir igualmente grandes deformações induzidas por um aumento brusco do teor de umidade, por exemplo, associado a uma excepcional subida do nível freático, infiltração de água da chuva, ou até a ruptura de adutoras.

Abaixo da camada de argila porosa encontra-se a camada de argila de consistência rija. Essa camada apresenta granulometria e limites de Atterberg (métodos de avaliação da natureza) parecidos com a camada superior, sendo o contraste em termos de consistência explicado pelo menor índice de vazios. O grau de saturação é também mais elevado (logo também o peso específico) em virtude da maior proximidade em relação ao nível freático”, conta o Professor Catedrático.

Tudo a ver

Mecânica dos solos Vol.1 – conceitos e princípios fundamentais  utiliza linguagem e ilustrações didáticas e diversos exemplos práticos para apresentar os conceitos básicos da área, sem deixar de aprofundar-se em cada tema.

Também em nossa loja você pode encontrar Mecânica dos solos Vol.2 – introdução a engenharia geotécnica. O livro serve como referência no estudo da teoria e dos métodos de concepção e projeto de obras e estruturas geotécnicas para estudantes e como manual de apoio para profissionais de Engenharia.

Compartilhe este conteúdo

Conhece alguém interessado? Indique.