Mestrado em Geotecnia na USP de São Carlos

O Programa de Pós-Graduação em Geotecnia da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP) recebe, até 24 de janeiro de 2020, inscrições para o curso de mestrado, com ingresso no primeiro semestre de 2020. Serão selecionados 10 candidatos e outros 10 serão incluídos em lista de espera. Os orientadores […]

O que você precisa saber sobre… Fundações superficiais

De acordo com a NBR 6122 (ABNT, 2010), nas fundações superficiais, as cargas são transmitidas ao solo, predominantemente, pelas tensões sob a base da fundação, estando está a uma profundidade de, no máximo, o dobro da menor dimensão do elemento de fundação.

Drenagem urbana: Canalização x Reservação

Em 1989, o engenheiro Stuart G. Walesh classificou as diretrizes gerais de projeto de drenagem urbana em “conceito de canalização” e “conceito de reservação”.

Investigação geotécnica: aspectos geológicos

Fica evidente, para um projetista mais experiente, a necessidade do reconhecimento dos aspectos geológicos e geomorfológicos da área onde a estrutura de contenção será implantada.

Usinas Hidrelétricas: 4 perguntas para o Geraldo Magela Pereira

Engenheiro Civil com mais de 40 de experiência, ele falou ao Comunitexto sobre a produção de energia em hidrelétricas, as funções de um vertedouro e explicou o que é a AAI.

Geossintéticos como solução sustentável: 3 perguntas para Ennio Marques Palmeira

Conversamos com o Prof. Ennio, pioneiro em pesquisas sobre geossintéticos no país, sobre esse material cada vez mais usado em obras de geotecnia e proteção ambiental. Confira a seguir o bate-papo!

Bernardo F. Tutikian: “A corrosão é o problema mais recorrente e que mais gastos e preocupação traz para as pessoas”

Autores do livro Patologia de Estruturas falam em entrevista sobre o uso correto do termo “patologia”, manifestação patológica e as melhores práticas para evitar o colapso de uma estrutura.

Chegou na Livraria Ofitexto! Brumadinho: a engenharia de um crime

“NÃO FOI ACIDENTE!“. A frase pintada em cartazes de protesto logo após a maior tragédia socioambiental da história do Brasil país não estava errada. A Vale sabia dos riscos elevados de ruptura da barragem da mina de Córrego do Feijão pelo menos desde o segundo semestre de 2017 e podia ter evitado a morte de […]