Prevenção de desastres: CPRM lança mapa online

A plataforma interativa da CPRM reúne informações sobre prevenção de desastres, em mais de 1.600 municípios brasileiros

prevenção de desastres-naturais-CPRM
A principal vantagem da plataforma é o acompanhamento em tempo real na Internet sem ter conhecimentos específicos sobre geoprocessamento. (Imagem: Pixabay)

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) lançou no dia 22 de janeiro um mapa online que permite visualizar regiões em áreas de risco e com isso auxiliar na prevenção de desastres. O projeto, desenvolvido por um grupo de pesquisadores da empresa pública, classifica as áreas com baixa, média e alta suscetibilidade a fenômenos danosos.

Com este mapa é possível nortear o crescimento urbano de forma adequada e segura, evitando vítimas, perdas e danos nos setores sociais, econômicos e de infraestrutura, como habitação, energia, saneamento, comércio, agricultura e serviços. A plataforma permite capturar e realizar downloads de informações, além de adicionar shapefiles para cruzar informações desejadas.

Leia também

A classificação dos desastres naturais

Sensoriamento remoto para desastres: monitoramento e alerta

Prevenção e mitigação de desastres pelo sensoriamento remoto

De acordo com Julio Lana, geólogo e coordenador executivo da CPRM, a principal vantagem da plataforma é o acompanhamento em tempo real na Internet sem ter conhecimentos específicos sobre geoprocessamento.

O mapa on-line é interessante pois ele apresenta uma base consistida e única a partir de uma visão espacial da distribuição dos setores de risco no país inteiro”, acrescentou o pesquisador.

Desde 2011, a CPRM já mapeou 1601 municípios em 26 estados brasileiros quanto à risco alto e muito alto, realizando inclusive 142 revisitas. Já no que se refere à suscetibilidade dos fenômenos danosos foram elaboradas 492 cartas em 22 unidades da federação.

Todas as publicações são enviadas para utilização das prefeituras e estão disponíveis no site (www.cprm.gov.br). Com base nestes mapeamentos elaborados pelo Serviço Geológico do Brasil, estima-se que mais de 4 milhões de pessoas vivem em áreas de risco.

Fonte: CPRM

Matéria publicada em 05.02.2020