Geotecnologias e geoinformação: Dissecando os satélites (Part.1)

Nesse especial, divido em duas partes, iremos responder algumas perguntas sobre os satélites artificias e suas funções

Telescópio espacial Hubble, lançado pela agência espacial estadunidense – NASA – em 24 de abril de 1990. (Foto: Pixabay/Andrew-Art Images)

 

Geotecnologias e geoinformação são essenciais para monitorar a agricultura no Brasil. Fundamental na análise e coleta de dados, os satélites são uma das ferramentas que contribuíram para a popularização da geotecnologia.

Vamos então nos aprofundar um pouco mais nesse instrumento tão usado em zoneamentos, mapeamentos e monitoramentos do uso e cobertura da terra, além de indicadores de sustentabilidade e competitividade.

O que é um satélite artificial?

É um equipamento produzido por humanos, o qual segue a órbita de um planeta ou corpo celeste. Esse satélite é posicionado no espaço, com auxílio de um foguete.

Existem diversos tipos de satélites artificiais em órbitas do planeta Terra e equipados com diferentes tipos de sensores e câmeras que registram informações da superfície terrestre.

Há satélites com objetivos específicos, como os destinados à comunicação e aos recursos naturais. Outros possuem somente aplicação militar e existem os dedicados ao posicionamento espacial.

Como se classificam os satélites artificiais?

Podem ser classificados de acordo com a trajetória orbital (geossíncrona e polar) e altitude (baixa, média e alta), com o tipo sensor instalado (passivo ou ativo), de acordo com seu propósito ou aplicação (meteorologia, comunicação, navegação, salvamento e emergência, militar, observação da Terra) ou com base na resolução dos sensores embarcados (espacial, radiométrica, temporal e espectral).

Quais os tipos de sensores encontrados nos satélites?

Sensores passivos ou ópticos – Dependem de uma fonte externa de emissão de radiação por não possuírem fonte própria. Eles registram a radiação emitida ou refletida por um objeto. Na maior parte das vezes, a fonte externa de energia é o sol. Portanto, as imagens captadas por esses satélites resultam da radiação solar refletida pela superfície da Terra em direção ao satélite.

Sensores ativos – Possuem uma fonte de energia capaz de emitir radiação em direção à superfície terrestre. Essa radiação emitida atinge os objetos, é refletida por eles e captada pelo sensor.

Clique em Geotecnologias e geoinformação: Dissecando os satélites (Part.2)  para continuar essa saga.

Tudo a ver

Se você perdeu ao vivo, não deixe de assistir à reprise do talk Sensoriamento remoto por radar para estudos de vegetação. Na palestra, a Professora Tatiana Kuplich, Bióloga formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Porto Alegre, apresenta: 

  • Alguns fundamentos do sensoriamento remoto por radar;
  • Suas aplicações em mapeamento de vegetação e estimativas de biomassa.