Holanda aposta na arquitetura para ganhar o mundo agrícola

arquitetura-holanda-mundo agrícola
A forma como a Holanda usa a arquitetura para alimentar o mundo parece melhor vista desde cima. (Imagem: Tom Hegen)

Atualmente, a Holanda com seus 41.528 km² é o segundo maior exportador mundial de produtos agrícolas. Uma façanha bem relevante levando em consideração que o primeiro lugar da lista são os Estados Unidos, com uma área terrestre 237 vezes maior.

A Holanda exportou quase US $ 100 bilhões em produtos agrícolas apenas em 2017, sendo US $ 10 bilhões em produtos relacionados com a agricultura. O segredo do sucesso? Uma inovação arquitetônica para reimaginar como uma paisagem agrícola pode ser.

A forma como a Holanda usa a arquitetura para alimentar o mundo parece melhor vista desde cima. Em The Greenhouse Series, de Tom Hegen, a agricultura holandesa é definida por vastas paisagens de estufas, algumas das quais com 71 hectares, que dominam a paisagem arquitetônica do sul da Holanda. No total, o país possui 93 quilômetros quadrados de estufas, uma área 56% maior que a ilha de Manhattan.

Sob o mar de telhados de vidro iluminado, especialistas em tecnologia usam sistemas hidropônicos e energia geotérmica para gerar rendimentos incomparáveis usando poucos recursos.

As estufas holandesas usam 1,1 galões de água por 4,5 kg de tomate produzido, em contraste com a média mundial de 25,6 galões, com alguns agricultores produzindo mais de 100 milhões de tomates por ano a partir de 14 hectares de terra. Isso só é possível graças a um ambiente interno controlado, onde temperaturas e umidade precisas são combinadas com uma baixa ameaça de contaminação e sem pesticidas.

O desempenho ambiental das estufas é baseado em considerações arquitetônicas. Os tetos com vidros duplos permitem a retenção de calor, enquanto as estruturas de aço modulares leves permitem a rápida expansão e adaptação, sem impedir a luz natural.

Empresas como a Duijvestijn Tomatoes são ainda mais inovadoras, já que o CO2 de uma refinaria de petróleo local da Shell é canalizado até as estufas para ajudar no crescimento das plantas, enquanto as luzes LED permitem o crescimento da noite para o dia.

Como Hegen aponta ao refletir sobre sua série fotográfica, tirada à noite, a lei holandesa diz que 98% da iluminação elétrica deve estar contida dentro das estufas usando telas e cortinas opacas, para mitigar a poluição luminosa.

Confira o vídeo:

As imagens e o vídeo que acompanham este artigo são obra de Tom Hegen e seu projeto intitulado “The Greenhouse Series”. Mais imagens podem ser encontradas em seu Instagram @tomhegen.de

Fonte: Archdaily Brasil