Impactos ambientais e destinação final do concentrado salino

A indústria da dessalinização apresenta um longo histórico de operações ambientalmente seguras. No entanto, em algumas partes do mundo, particularmente nos Estados Unidos, a regulamentação para o descarte do concentrado salino pode ser um fator importante para esse segmento de produção de água de abastecimento.

concentrado salino
(Imagem: Divulgação)

Nos últimos anos, muitos artigos foram publicados sobre os impactos ambientais globais das usinas de dessalinização. Além disso, a Sociedade Europeia de Dessalinização patrocina uma conferência bianual denominada Conferência Europeia sobre Dessalinização e Meio Ambiente, cujo enfoque é principalmente o efeito causado pela destinação final do concentrado salino ao meio ambiente.

A qualidade da água do fluxo de concentrado depende:

  • da qualidade da água de alimentação;
  • dos produtos químicos utilizados no pré-tratamento, como polímeros,
  • ácidos, cloro, inibidores de corrosão e removedores de cloro;
  • do fator de recuperação (R);
  • da temperatura;
  • dos produtos químicos utilizados na limpeza dos equipamentos.

Deve-se ressaltar que, ao contrário da maioria dos outros processos industriais, o fluxo de concentrado salino obtido nas usinas de dessalinização não é muito influenciado pelos produtos químicos utilizados no processo.

Geralmente, o concentrado pode ser considerado apenas como a água de alimentação com um nível mais concentrado de sais. A água de alimentação é geralmente pré-tratada com produtos químicos para controlar incrustações e/ ou corrosões internas dos equipamentos, conforme já descrito anteriormente.

Leia também

Arranjos esquemáticos dos processos de dessalinização

Classificação das águas quanto à salinidade

As usinas de dessalinização

No entanto, tais produtos químicos estão geralmente com concentrações abaixo de 10 mg/L e, por conseguinte, são os constituintes da água de alimentação que definirão a qualidade do concentrado. Assim, a maneira mais fácil de considerar o impacto do concentrado é medir o nível ou o fator de concentração nos processos de dessalinização. Pode-se definir o FC como:

FC=1/(1-R)

Em que R é o percentual de recuperação dividido por 100. O fator de recuperação R reflete a quantidade de água produzida a partir de um determinado volume de água de alimentação. Por exemplo, numa determinada usina, cujo percentual de recuperação é de 30%, tem-se que 70% da água de alimentação vai se transformar em concentrado.

Nesse caso, aplicando a fórmula anteriormente apresentada, o FC resultante seria 1,43, o que significa que a concentração seria 43% maior no concentrado do que na água de alimentação. Na Tab. 6.1 são apresentados os principais processos de dessalinização e as características aproximadas do concentrado final.

concentrado salino
Tab. 6.1 Principais processos de dessalinização e características típicas do concentrado. (Imagem retirada do livro Dessalinização de águas. Todos os direitos reservados à Oficina de Textos).

De acordo com essa tabela, o concentrado obtido nos processos OR é o que apresenta os mais altos níveis de concentração de sais quando comparado com os processos de destilação térmica, em razão dos altos níveis de recuperação praticados nos processos de membranas.

Embora o concentrado obtido nos processos de dessalinização por membranas apresente os maiores fatores de concentração (na faixa de 2,5 a 6,7), é necessário ressaltar que esse fator é sempre referenciado e comparado com a água de alimentação e apresenta quase sempre menor teor de sais do que a água do mar. Isso se deve ao processo OR ser mais utilizado para dessalinização de águas salobras.

A OR, quando utilizada para dessalinização da água do mar, resulta em um concentrado com o mais alto nível de salinidade, o que pode ser amenizado misturando-se a água do mar com outra água cuja salinidade seja menor e que esteja disponível nas proximidades da usina de dessalinização.

Matéria publicada em 18 de março de 2020


Tudo a ver

Dessalinização de águas é uma obra de referência: o primeiro livro brasileiro totalmente dedicado a este assunto. Ele oferece alternativas para o enfrentamento de situações de crise hídrica e evitar o desabastecimento.