Geografia e meteorologia

Livro sobre queimadas e incêndios florestais é um alerta e um recurso científico contra a devastação

Queimadas e incêndios florestais mediante monitoramento orbital, publicado pela Oficina de Textos, é o primeiro livro dedicado exclusivamente ao assunto.

“Até agora não havia nenhum livro especificamente sobre as queimadas no Brasil”, conta o engenheiro ambiental Alberto W. Setzer. “Esta edição da Oficina de Textos é um marco. É a primeira vez que temos um livro abordando só este tema”. Setzer se refere ao livro “Queimadas e incêndios florestais mediante monitoramento orbital”, que ele organizou em companhia do físico e meteorologista Nelson Jesuz Ferreira. A obra contou também com a colaboração de outros pesquisadores que integram o Programa de Queimadas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Em entrevista à Oficina de Textos, editora responsável pelo lançamento, Setzer foi direto ao ponto:

Temos tudo para controlar os crimes ambientais na área de queimadas e desmatamento. A informação está toda disponível. Temos toda a técnica, todas as ferramentas para saber quem, como, onde e quando está fazendo a coisa errada. Os satélites detectam mais de trezentas mil infrações por ano do uso ilegal do fogo e apenas uma fração mínima desses casos é verificada justamente pela falta de mão de obra e de determinação política.

A obra oferece todas as ferramentas para que técnicos e gestores públicos possam agir diante da devastação que se verifica nos diversos biomas brasileiros por conta de queimadas e incêndios.

Setzer lembra que a questão das queimadas na Amazônia adquiriu enorme relevância, tanto no meio técnico, quanto no meio político, envolvendo as atuações do próprio governo brasileiro no contexto internacional e no enfrentamento das mudanças climáticas. “Entendemos que o livro é a forma mais adequada para relatar e documentar o que temos feito, abrindo essa experiência para especialistas e para o público em geral”, revela.

A obra mostra como é feito o monitoramento das queimadas e o que é realmente detectado. Aponta as dificuldades dos interessados em fazer uso dos dados de satélites na detecção de fogo na vegetação. Explica como se faz a estimativa de áreas queimadas e o cálculo do risco de fogo na vegetação. Inclui também um capítulo focado na experiência do Acre, que mostra como o uso de dados de satélites foi importante para a adoção de políticas públicas naquele estado.

A quem se destina

Setzer lembra que o trabalho agora publicado se destina ao pessoal técnico que quer usar e ampliar conhecimentos sobre a maneira de empregar os dados de satélites na detecção do fogo na vegetação ou nas medições diárias de queimadas a partir de imagens de satélites. Ele também vai ser muito útil para os gestores públicos que definem políticas e precisam adotar ações administrativas, decretos e leis para controlar o uso do fogo.

O livro traz também exemplos de sucesso – casos em que houve o uso efetivo das informações do INPE e que foi possível reduzir o fogo. Para esse pessoal, que faz a gestão do uso do fogo, o livro oferece informações, dados e exemplos muito interessantes, conta o engenheiro.

Monitoramento Orbital

Setzer explica que o monitoramento orbital é fundamental para um país como o Brasil, que tem dimensões continentais e uma população não muito preocupada com as questões ambientais. Nos países na Europa, ele lembra, basta aparecer uma “fumacinha” em qualquer lugar para que imediatamente os bombeiros, a polícia e outros órgãos sejam acionados para tomar providências. O detalhe, aponta o pesquisador, é que lá os transgressores das leis ambientais são punidos de forma exemplar:

Aqui no Brasil é o oposto disso. As pessoas veem contravenções e desastres ambientais como se fossem coisas naturais. Pouca gente reporta e relata esses eventos. As autoridades, por seu lado, que deveriam tomar providências, muitas vezes não têm informações de onde os crimes ambientais estão ocorrendo.

O uso dos satélites é uma tecnologia bastante difundida e com uma funcionalidade extremamente comprovada, que resolve praticamente a situação de inúmeras instituições. 

Setzer cita que o primeiro satélite de observações terrestres na época se chamava ERTS e foi lançado em 1972 pela NASA, Agência Espacial dos Estados Unidos. “De lá para cá, sabemos quem, quando e onde um crime está sendo cometido, seja de desmatamento ou de queimada. Ao longo desses cinquenta anos, a tendência de aumento de desmatamento e de queimadas, em particular na Amazônia, continua se verificando.” 

Copo meio cheio, meio vazio

Levando em conta uma experiência de quatro décadas e o acesso a dados diários de satélites, Alberto Setzer não é otimista quanto ao futuro das florestas: 

“O que a gente vê é uma continuidade no aumento do desmatamento não só no Brasil, mas no mundo todo. As florestas certamente passarão do ponto de inflexão (ou seja, do momento de não-retorno). Muitas pessoas acham que já atingimos esse ponto de inflexão, mas na minha percepção isso é até um pouco irrelevante. Se você já atingiu há alguns anos, se está atingindo agora ou se você vai atingir no ano que vem não muda o contexto da continuidade dos crimes ambientais, nem realmente uma interrupção desse processo”. 

O lado positivo, segundo ele, é que a comunidade científica, uma parte dos gestores públicos e muitos empresários estão mais atentos ao tema ambiental e às florestas. Esse interesse pelas queimadas no Brasil começou no final da década de 1980 e vem crescendo cada vez mais, afirma o pesquisador. “Isso a gente percebe não só pela quantidade de matérias na mídia, mas pelo número de trabalhos científicos feitos por pesquisadores brasileiros abordando esse tema de queimadas.”

Isso continua aumentando, diz Setzer, porém sempre por meio de artigos em revistas técnicas ou científicas. “Até agora não havia nenhum livro especificamente sobre as queimadas no Brasil. Essa obra pode servir como um estopim para que outros livros sejam publicados, levando em conta a importância do tema e a quantidade enorme de pesquisas produzidas por nossos cientistas e técnicos”, aponta o pesquisador. 

Sobre os organizadores

Alberto Waingort Setzer é graduado em Engenharia Mecânica pela Escola de Engenharia Mauá e possui mestrado em Engenharia Ambiental pelo Technion Institute of Technology. É doutor em Engenharia Ambiental pela Purdue University e tem pós-doutorado no Joint Research Center/EEC, Ispra, na Itália. Pesquisador Titular do INPE, na Coordenação-geral de Ciências da Terra (CGCT), desenvolvendo projetos operacionais, pesquisas e atividades acadêmicas nos temas de monitoramento de queimadas com imagens de satélites, risco de fogo da vegetação, e meteorologia antártica.

Nelson Jesuz Ferreira é graduado em Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1975), mestre em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1978) e PhD em Meteorologia pela Universidade de Wisconsin – Madison (1987), EUA e Pós-doutorado pela Universidade de São Paulo (1994). Foi pesquisador do INPE no período de 1979 a 2017, tendo sido Chefe da Divisão de Meteorologia por Satélite, da Divisão de Operação e Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais no CPTEC. Atua na área de geociências, principalmente nas seguintes áreas: climatologia, sistemas sinóticos, previsão de tempo, dinâmica e sensoriamento remoto da atmosfera.  Orientou 41 alunos de Mestrado e 8 de Doutorado. É autor e coautor de vários livros.  

Para saber mais