Mineração: a relação entre recursos e reservas

As definições de recurso mineral medido, recurso mineral inferido, reserva provável de minério devem ser bem conceituadas para não gerar confusões. Adilson Curi, professor orientador Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em seu recente livro “Minas a céu aberto: planejamento de lavra explica de forma clara essas importantes questões.

Segundo o livro um recurso mineral é uma concentração ou ocorrência de material de interesse econômico intrínseco na superfície ou no interior da crosta terrestre, com tal forma e quantidade que pode ser considerado um prospecto razoável para eventual extração econômica.

PrintUm recurso mineral medido é a parte do recurso mineral para a qual a tonelagem, densidade, forma, características físicas, teor e conteúdo mineral podem ser estimados com elevado nível de confiança. Tem por base a exploração detalhada e fidedigna, informações de amostragem e testes obtidos por meio de técnicas apropriadas, em estações como afloramentos, galerias, trincheiras, poços, trabalhos subterrâneos e furos de sonda. O espaçamento das estações é próximo o bastante para confirmar a continuidade geológica e/ou de teor.

Um recurso mineral indicado é a parte do recurso mineral para a qual a tonelagem, densidade, forma, características físicas, teor e conteúdo mineral podem ser estimados com razoável nível de confiança.

Um recurso mineral inferido é a parte do recurso mineral para a qual a tonelagem, teor e conteúdo mineral podem ser estimados com baixo nível de confiança. É inferido a partir de evidência geológica e admite-se, mas não se comprova, a continuidade geológica e/ou de teor.

Recursos potenciais são aqueles que não atendem aos critérios de classificação como medidos, indicados ou inferidos, porém existe uma razoável probabilidade de seu aproveitamento.

Uma reserva provável de minério é a parte economicamente lavrável de um recurso mineral indicado e, em alguns casos, medido; avaliações apropriadas, que podem englobar estudos de viabilidade, foram realizadas e incluem considerações sobre mudanças, realisticamente admitidas, nos fatores de lavra, de concentração, metalúrgicos, econômicos, de mercado, legais, ambientais, sociais e governamentais. Essas avaliações demonstram que, na época em que foram reportadas, a extração seria razoavelmente justificada.

Uma reserva provada de minério é a parte economicamente lavrável de um recurso mineral medido. Inclui materiais diluídos e descontos sobre perdas, que podem ocorrer quando da lavra do material. Avaliações apropriadas, que podem incluir estudos de viabilidade, foram realizadas e incluem considerações sobre mudanças, realisticamente admitidas, nos fatores de lavra, metalúrgicos, econômicos, de mercado, legais, ambientais, sociais e governamentais. Essas avaliações demonstram que, na época em que foram reportadas, a extração seria razoavelmente justificada.

mineracao_VITRINE

Conclusão

A inter-relação entre recursos e reservas é dinâmica, sendo influenciada, principalmente, pela elevação do nível de conhecimento geológico e confirmação da viabilidade econômica. Pode-se dizer que, para a definição de uma ocorrência mineral como recurso inferido, basta um nível de conhecimento geológico elementar, que pode ser obtido ainda na fase prematura da exploração mineral, enquanto, para a definição de uma ocorrência mineral como reserva, será necessário um conhecimento bem mais aprofundado e específico, o qual somente poderá ser obtido a partir de uma fase avançada da exploração mineral.

Considerando os conceitos expostos, pode-se concluir que recursos minerais inferidos podem se converter em recursos medidos, à luz de estudos pertinentes e conclusivos realizados, com a evolução da exploração mineral, uma vez demonstrado o seu conteúdo mineral, com elevado nível de confiança.

Da mesma forma, recursos medidos e/ou indicados podem se converter em reservas provadas à luz da comprovação da sua exequibilidade técnica e econômica. Entretanto, apenas recursos medidos e/ou indicados se converterão, respectivamente, em reservas provadas e/ou prováveis à luz de fatores favoráveis de ordem econômica, técnica e legal, entre outros, como representado na figura abaixo.

Miras
Fases de um projeto de mineração e possibilidades de influenciar nos custos. Fonte: Hustrulid e Kuchta (2006).

 Importante

A terminologia descrita neste texto foi baseada no código de mineração australiano, que tem sido aceito internacionalmente como um padrão de referência para a classificação de recursos e reservas minerais.

Os principais fundamentos que governam a operação e a aplicação do sistema de classificação de recursos e reservas, segundo o código australiano, são a competência, a materialidade e a transparência. Entende-se que a metodologia de classificação de recursos/reservas deve buscar a similaridade com os conceitos aceitos internacionalmente, como os conceitos do código australiano, a fim de facilitar, entre outros aspectos importantes, a emissão/negociação de ações das empresas de mineração brasileiras nas bolsas de valores internacionais.

Segundo o referido código, um recurso mineral é uma concentração ou ocorrência de material de interesse econômico intrínseco na superfície ou no interior da crosta terrestre, com tal forma e quantidade que pode ser considerado um prospecto razoável para eventual extração econômica.