Por que algumas obras dão certo…: Entrevista com o autor

Conversamos com o Eng. Roberto S. Corrêa sobre o lançamento que promete ser uma referência para estudantes de Engenharia, jovens engenheiros e profissionais que atuam em obras de construção civil

“Considero ter havido uma boa evolução nos métodos executivos, nos equipamentos e, principalmente, na segurança do trabalho nas obras de edificações”, conta o Eng. Roberto Corrêa. (Imagem: Mapa da Obra)

Por que algumas obras dão certo e outras não? A resposta que todo mundo quer saber virou título do livro do experiente Eng. Roberto S. Corrêa, e ele explica para nós como surgiu essa ideia, os destaques da obra e como vê o atual cenário da construção civil no país. Confira o bate-papo!

Comunitexto: O livro traz logo em seu título uma pergunta curiosa. Como surgiu a ideia para o nome?

Roberto S. Corrêa: Ao longo da minha vida profissional observei que algumas obras fluíam bem e outras não, gerando muitas discussões e reivindicações que, às vezes, levavam à sua paralisação e até a rescisão do contrato. Resolvi buscar quais eram os fatores que estavam presentes em cada um destes grupos, buscando uma resposta para a pergunta. Daí o nome que escolhi.

CT: Trata-se de um título, de certa maneira, bem-humorado. Esse tom mais espirituoso também é aplicado a linguagem usada no livro?

RSC: Sim, a ideia é que a leitura seja leve e bem-humorada. Escrevi como se estivesse numa reunião conversando com amigos.

CT: O que o levou a escrever a obra?

RSC: Dei aulas na área de construção na Escola de Engenharia Mauá e os livros utilizados eram específicos tais como, de técnicas construtivas, de planejamento, de orçamento, que se aprofundavam e cada um poderia ser objeto do curso todo, o que é praticamente impossível num curso de graduação. São livros que vão ao detalhe, mas são estanques, não se relacionam entre si.

Resolvi escrever um livro mostrasse o processo de execução como um todo, desde a ideia do Cliente, da contratação do projeto e da execução da obra, indicando os profissionais necessários e as relações entre eles.

CT: Qual(s) o(s) destaques dela?

RSC: Posso destacar os 25 casos relatados de problemas havidos nas obras e como foram resolvidos, o passo a passo de como se elaborar um orçamento, incluindo o cálculo do BDI e de um cronograma.

CT: Depois de tantos anos de carreira, acompanhando diversas obras, como vê atualmente o desenvolvimento dessa seara no Brasil?

RSC: Considero ter havido uma boa evolução nos métodos executivos, nos equipamentos e, principalmente, na segurança do trabalho nas obras de edificações. As obras chamadas pesadas ou de infraestrutura, contratadas pelo setor público, foram paralisadas, praticamente, após os processos movidos contra as grandes empreiteiras pela operação Lava Jato e a recessão da economia brasileira, com a consequente queda do investimento público, provocada pelas restrições fiscais da União, estados e municípios.

Assim como algumas destas empreiteiras fizeram acordos com o poder público e estão implantando processos internos de complience, estando, portanto, habilitadas para contratar novas obras, seria também desejável alguma mudança nos critérios das licitações, que permitissem que empresas menores também pudessem concorrer. Espero que isto ocorra logo para não perdermos profissionais experientes, que garantem a qualidade dos serviços e diminuir o desemprego, uma vez que a Construção é forte empregadora mão de obra.

CT: Para encerrar, gostaria que me respondesse: Por que algumas obras dão certo e outras não?

RSC: Acredito, em resumo, que as obras que dão certo tem, equipes com profissionais bem-intencionados, competentes e íntegros, coordenados por um bom Gerenciador. Para mais detalhes sugiro, é claro, a leitura do meu livro.


Tudo a ver

Por que algumas obras dão certo e outras, não? Quais os fatores críticos para que um empreendimento da construção civil seja realizado dentro do orçamento e prazo previstos e com a qualidade pretendida?

Para responder essas questões, o autor não foca em técnicas e métodos construtivos, mas apresenta as principais etapas da execução da obra, esclarecendo como conduzir os processos, quais as competências necessárias, como selecionar empresas e pessoas e fazê-las trabalhar em equipe.