Processamento de imagens de satélite: Entrevista com Daniel Capella Zanotta

Autor fala ao nosso blog sobre o que o levou a escrever o livro, os principais destaques da obra e o cenário atual do processamento de imagens no Brasil


Ilustrado, com exemplos práticos e exercícios propostos, constitui uma importante referência para aqueles que atuam nas múltiplas áreas de aplicação do sensoriamento remoto. (Imagem retirada do livro Processamento de Imagens de Satélite, Ed. Oficina de Textos, 2019. Todos os direitos reservados)

Comunitexto: Por que decidiram escrever o livro?

Prof. Daniel Zanotta: Temos estabelecida uma parceria de mais de uma década que já produziu alguns trabalhos científicos importantes na área de processamento de imagens. A motivação para escrever o livro surgiu pela constatação de que havia uma carência grande de um material atualizado na área. Existem muitos livros técnicos de sensoriamento remoto, mas nenhum que trate exclusivamente do processamento digital desse tipo de dado.

CT: Qual(s) o(s) principal(s) destaques da obra?

Prof. DZ: Procuramos incluir técnicas atualizadas de processamento de imagens. Um grande foco que demos foi no tema de classificação. Além das técnicas tradicionais, incluímos técnicas modernas de classificação de imagens (e.g. Support Vector Machines, Randon Forests, Redes Convolutivas, Superpixels etc.), sempre traçando comparativos práticos sobre os resultados dos classificadores através de mapas com figuras em cores, ressaltando suas vantagens e desvantagens. Procuramos também incluir ilustrações originais, especialmente confeccionadas para traduzir de maneira clara os conceitos abordados.

Colocamos exemplos práticos já testados por estudantes, e optamos também por sugerir exercícios ao fim de cada capítulo para auxiliar o leitor na avaliação do seu aprendizado, e servir como material complementar para docentes que optarem por utilizar o material como livro-texto em suas disciplinas.

CT: Como foi o trabalho com os outros organizadores?

Prof. DZ: Nosso livro foi inteiramente escrito pelos três autores. Cada um tinha consigo algum material fruto de disciplinas lecionadas anteriormente, ou de anotações sobre pesquisas feitas na área de processamento de imagens. Como residimos em cidades diferentes, fazíamos reuniões quinzenais por videoconferência a fim de planejar os capítulos, discutir tópicos especiais, sugerir abordagens, tirar dúvidas etc. Tínhamos também arquivos compartilhados com cada capítulo, onde podíamos contribuir simultaneamente e acompanhar a evolução dos trabalhos em tempo real.

CT: Por que considera uma obra indispensável para estudantes e profissionais?

Prof. DZ: O processamento de imagens é a base de qualquer análise e interpretação em imagens de sensoriamento remoto. Mesmo que um programa de computador possa executar o processo de maneira automática, é fundamental que o usuário/analista seja capaz de compreender os processos que “estão por trás” de cada resultado gerado a partir das imagens brutas. De posse desse conhecimento, o analista poderá embasar a escolha de técnicas e sustentar com propriedade a interpretação dos resultados.

CT: Atualmente, como classificaria o cenário do processamento de imagens no Brasil?

Prof. DZ: Em comparação com outros países, o Brasil possui uma comunidade mais voltada para a manipulação de técnicas existentes, e não tanto para o desenvolvimento de novas ferramentas na área de processamento de imagens. Talvez pela carência de material organizado, de fácil acesso, e pela dificuldade em encontrar informações que estão muitas vezes diluídas na internet, em variados níveis, e sem qualquer confiabilidade.

Nosso objetivo com este livro é, também, o de entregar um conteúdo objetivo, de fácil leitura, e com exemplos de aplicação, a fim de despertar o gosto de alguns usuários para a área da criação, sendo esses potenciais desenvolvedores de técnicas inovadoras na área do processamento de imagens.

Tudo a ver

Processamento de imagens de satélite introduz os usuários iniciantes ao processamento de imagens de satélite, mas não se restringe a eles, avançando e se aprofundando em detalhes matemáticos sobre técnicas e algoritmos, voltados para usuários mais experientes.