Projeto de UHE: localização do vertedouro

O vertedouro exige uma estrutura de concreto. Nas barragens de concreto, frequentemente ele é incorporado ao barramento principal, mas esse é um aspecto particular. A localização e os tipos podem variar sobremaneira de arranjo para arranjo:

  • Se o vertedouro for incorporado ao eixo de barramento e a barragem for de terra/enrocamento, normalmente a estrutura vertente forma uma barragem à gravidade com perfil tipo Creager, com dissipação de energia em: salto de esqui (p. ex., UHE Tucuruí – ELN – veja figura abaixo – e UHE Jaguara – Cemig) ou em ressalto hidráulico por meio de uma bacia de dissipação (UHE Balbina).
  • Se a barragem é de concreto, o vertedouro pode ser sobre a barragem, com controle de comportas e dissipação em salto de esqui, como o de Karakaya (Turquia), mostrado na mais abaixo, e o da UHE Mossyrock (EUA); ou em jatos cruzados, a exemplo da UHE Cahora-Bassa, em Moçambique; ou sem controle de comportas, com dissipação parcial em degraus (RS); como o da UHE Dona Francisca. No caso de Karakaya, a concha da calha do vertedouro é o teto da casa de força.
UHE Tucuruí
Vertedouro da UHE Tucuruí. Vista lateral da casa de força para o vertedouro, com a barragem de enrocamento e terra ao fundo. Fonte: Revista Eletronorte (1998).

 

Muitas vezes, o vertedouro é lateral como na UHE Monjolinho (RS), com restituição em canal (ver figura abaixo), ou como na UHE Hoover, com restituição lateral seguida de túnel.  Utilizam-se também vertedouros tulipa (morning glory), como nas UHEs Paraitinga e Euclides da Cunha e na PCH Colino. A PCH Colino I (11 MW), no ribeirão Colino, na bacia do rio Jucuruçu do Sul (BA).

UHE Monjolinhos
UHE Monjolinho, vertedouro lateral (side spillway) na margem direita, sem controle de comportas, com comprimento de 210m e capacidade de vazão de 6.755m3/s Fonte: CBDB.
kara
Vista lateral da UHE Karakaya. Vertedouro em salto de esqui para Q = 18.000m3/s. Fonte: United States Department of Agriculture (2005) (http://www.fas.usda.gov/remote/mideast_pecad/gap/

 

A usina tem queda bruta de 141 m. O arranjo é de derivação com tomada d’água e casa de força afastada do barramento principal.  Em muitos casos, o vertedouro é em calha nas ombreiras (spillway chute), como nas usinas de Itaipu, Barra Grande, Itá, Foz do Areia, Emborcação, Campos Novos, Nova Ponte, Serra da Mesa, entre outros. Cabe destacar que esses três últimos têm grande parte da calha sobre o maciço rochoso.

A UHE Sobradinho, no rio São Francisco, tem dois vertedouros: um de superfície, com comportas e bacia de dissipação, e outro de fundo, com dissipação numa soleira terminal e na rocha a jusante. O vertedouro de fundo foi utilizado para deixar passar água durante a construção para manter a geração de energia na usina de Paulo Afonso, a jusante.

Tudo a ver

Projeto-de-usinas-hidreletricas-passo-a-passoPara saber mais sobre os projetos dos vertedouros, além de informações detalhadas sobre as estruturas do circuito hidráulico de adução e geração, adquira nosso mais recente lançamento Projeto de Usinas Hidrelétricas: passo a passo

A obra trata de todos os aspectos do projeto de uma usina hidrelétrica, bem como do reservatório, da subestação de manobra e da linha de transmissão associada. Estão incluídas na obra as diretrizes para as fases de inventário, os estudos hidrológicos e energéticos, geológicos e geotécnicos, e também para a resolução de demandas legislativas e burocráticas.

Elaborada como um manual passo a passo, o livro conta com inúmeros exemplos retirados de projetos de hidrelétricas brasileiras. Há também um capítulo sobre os principais acidentes com barragens no Brasil e no mundo, que discute os riscos, as formas de prevenção e a gestão do patrimônio.

Esta obra de fôlego é indicada para jovens profissionais das diversas áreas da engenharia – civil, mecânica, elétrica, ambiental – e da geologia interessados na construção e manutenção de usinas hidrelétricas.

Patrocinadores-MONTADO