Quais os principais tipos de representações cartográficas?

Paulo Menezes e Manoel Couto Fernandes, autores do livro Roteiro de Cartografia, falam sobre as diferentes formas de representação. Confira a seguir!

(Imagem: pixabay/ piviso)

 

Inicialmente podemos falar dos mapas. O conceito de mapa é caracterizado como uma representação plana, dos fenômenos sócio-bio-físicos, sobre a superfície terrestre, após a aplicação de transformações, a que são submetidas as informações geográficas, sendo também visto como uma abstração da realidade geográfica e considerado como uma ferramenta poderosa para a representação da informação geográfica de forma visual, digital ou tátil.

“Os elementos de um mapa são definidos como informações cartográficas. Elas podem ser de natureza estritamente cartográfica, como a rede de paralelos e meridianos, pontos cotados, como também, principalmente, as representações das informações geográficas, inclusive as legendas. Em outras palavras, a informação cartográfica representa a informação geográfica, após ter sido submetida a um processo de transformação, o que permitirá que venha a ser representada em um mapa”, fala o Prof. Paulo Menezes, um dos autores do livro Roteiro de Cartografia.

As transformações a que as informações geográficas são submetidas, possuem natureza diferenciada, porém todas são inter-relacionadas. Podem ser geométricas, projetivas ou cognitivas.

  • As transformações geométricas são caracterizadas por um relacionamento de escala e orientação entre sistemas de referência. É a principal transformação, pois afetará todas as representações cartográficas, mesmo aquelas diferenciadas de mapas. É vista como uma simples relação matemática de redução, porém seu conceito é muito mais profundo e o seu domínio por parte do cartógrafo irá gerar informações cartográficas eficientes e eficazes.
  • As transformações projetivas referem-se às transformações da superfície tridimensional curva da Terra, para a superfície de representação de um mapa, bidimensional plana.
  • As transformações cognitivas, por fim referem-se às transformações do conhecimento da informação, em relação ao que será efetivamente representado no mapa, generalização cartográfica e simbolização cartográfica.

Para a Geografia é também indiscutível a importância da forma de representação da informação geográfica, em essência dos mapas e da Cartografia. Através deles o geógrafo pode representar todos os tipos de informações geográficas, bem como da estrutura, função e relações que ocorram entre elas.

Pela caracterização de sua aplicação em quaisquer campos do conhecimento que permitam vincular a informação à superfície terrestre. Dentro da divisão da Cartografia, um dos cartógrafos temáticos é o geógrafo por excelência, tanto por ser a Geografia a ciência mais integrativa dentro do conhecimento humano, como por ter a necessidade de visualizar os relacionamentos entre conjuntos de informações que isoladamente não permitem quaisquer conclusões.

O Globo terrestre

Os Globos terrestres são representações onde as transformações projetivas não são consideradas, porém as outras sim. Por último, podemos falar dos modelos de superfície ou de terreno, onde processos de representação analógicos, digitais, icônicos, modelam os fenômenos de forma a se adaptarem à estrutura da informação.

“Deve ser salientado também o estudo de mapas onde são representadas as informações, mais embasadas na sua topologia, estrutura mental e percepção espacial, sem haja uma imposição de métricas. Na realidade, qualquer representação passa por essa fase. Assim podemos citar os mapas mentais e outros tipos de representação, nas quais a estrutura funcional da informação tem a sua maior importância”, explica o Prof. Manoel do Couto Fernandes.

Tudo a ver

Roteiro de Cartografia apresenta de forma clara e didática os principais conceitos clássicos e modernos da cartografia, sua relação com o geoprocessamento e os problemas e impactos causados com a integração de diferentes documentos cartográficos.