Sistemas de Drenagem Urbana Sustentável (SUDS)

Os sistemas de drenagem urbana sustentável são dispositivos e técnicas desenvolvidos sobre o tripé quantidade, qualidade e amenidade/ biodiversidade, as quais devem ser alcançadas de maneira equilibrada.

As SUDS foram desenvolvidas nos países do Reino Unido e se assemelham as BMP (Best Management Practices – melhores praticas de manejo) desenvolvidas nos Estados Unidos. Países como Austrália, Suécia e os já citados utilizam esse tipo de abordagem desde a década de 1980.

Esse sistema vem, pouco a pouco, substituindo as redes tradicionais de drenagem. Em alguns casos, a instalação previa de SUDS torna desnecessária a construção de sistemas tradicionais, ou então a dimensão necessária para estes últimos passa a ser bastante reduzida.

imagem drenagem sustentavel
Sistemas de Drenagem Urbana Sustentável em Upton, Northampton, Reino Unido. Foto de John Millington, todos os direitos reservados

 

Esses sistemas são projetados para funcionar em pequenas unidades discretas disseminadas pelo terreno de forma a manter as características hidrológicas o mais próximo possível das condições anteriores a ocupação. A filosofia geral aplicada ou esperada das SUDS pode ser assim resumida: „

  • reduzir as vazões e taxas de escoamento;
  • reduzir os volumes adicionais consequentes da urbanização;
  • promover a recarga natural dos aquíferos;
  • reduzir a concentração de poluentes e atuar como zona de amortecimento em caso de acidentes com derramamento de contaminantes;
  • prover habitats para os animais e agregar valor estético para as áreas urbanas.

O planejamento dos sistemas de drenagem sustentável deve seguir uma combinação de diferentes dispositivos em série (conhecidos na literatura como management train ou treatment train), que se caracteriza por determinar a sequencia das alternativas de controle de forma a minimizar os impactos inerentes da urbanização.

Essa associação de dispositivos objetiva manter a condição hidrológica o mais próximo possível das condições iniciais. Outra característica e minimizar a descarga para jusante, ou seja, os impactos devem ser contidos o mais próximo possível da fonte e, consequentemente, pelo proprietário da área.

O controle da quantidade se baseia nos seguintes princípios: infiltração; detenção/retenção; transporte e captação da agua. Já o controle da qualidade e realizado a partir de sedimentação, adsorção, filtração, bi degradação, precipitação, assimilação, foto lise, nitrificação e volatilização dos componentes

Tudo a ver

capaPara entender mais sobre os novas técnicas sustentáveis na gestão dos sistemas de drenagem urbana confira o livro Drenagem Urbana e Controle de Enchentes do engenheiro Aluísio Canholi, responsável pela introdução no Brasil dos reservatórios de detenção urbanos, popularmente conhecidos por “piscinões”, e o responsável técnico por um dos maiores trabalhos de planejamento feitos no País: o Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia do Alto Tietê, uma das regiões mais problemáticas do mundo em termos de recursos hídricos.

Drenagem Urbana e Controle de Enchentes, já em sua segunda edição com novos cases, é uma contribuição técnica ímpar no campo da drenagem das grandes cidades. Introduz novos conceitos de projeto, revê o conceito clássico da Engenharia Sanitária de dimensionar obras hidráulicas e propõe novas medidas estruturais não convencionais para a drenagem das grandes cidades.

Com destacado valor didático, a obra cobre uma lacuna técnica importante, trazendo para estudantes e profissionais da Engenharia uma fonte de consulta até então inexistente na língua portuguesa. Referência para planejadores urbanos e outros profissionais de áreas correlatas, envolvidos com a infraestrutura das cidades e seus diversos impactos.