Unidades que compõem as alvenarias

As unidades que compõem as alvenarias são materiais pétreos, naturais ou artificiais. Algumas unidades mais comumente utilizadas são: blocos de concreto, blocos cerâmicos, blocos pétreos, blocos sílico-calcários, entre outros

Bloco alvenaria estrutural concreto. (Imagem: Iporã Blocos)

 

As unidades podem ser ou não estruturais, conforme o tipo de alvenaria que irão compor. Sendo com finalidade estrutural, devem ter a resistência característica à compressão conforme estimada em projeto estrutural.

  • Blocos de concreto

São blocos prismáticos compostos de concreto simples.

  • Blocos cerâmicos

São blocos prismáticos compostos de argila, podendo ser maciços ou vazados.

  • Blocos sílico-calcários (BSC)

São blocos prismáticos compostos de cal virgem, devendo conter baixo teor de magnésio. Inicialmente, a cal virgem (CaO) é misturada com sílica (areia), compondo a mistura básica para o bloco. A mistura é acrescida de água, promovendo a reação de hidratação da cal virgem.

Posteriormente, a mistura é prensada em moldes específicos que definem o formato do bloco. Finalmente, os blocos são conduzidos para uma autoclave sob pressão e temperatura elevadas; a cal hidratada e a sílica reagem, gerando fortes ligações cimectantes, conferindo ao BSC alta resistência à compressão.

Os blocos sílico-calcários são amplamente usados em alvenaria estrutural, por possuírem grandes vantagens em relação ao tijolo cerâmico convencional, tais como resistência ao fogo e conforto térmico e acústico.

Argamassa

É composta de cimento, agregado miúdo, cal, água e aditivos. Tem finalidades de unir as unidades, garantir a vedação, propiciar aderência com as armaduras nas juntas, compensar as variações dimensionais das unidades. As propriedades que devem ser controladas são: retenção de água, adequada resistência à compressão, trabalhabilidade.

Graute

Consiste em um concreto fino e deve apresentar alta fluidez, de modo a preencher adequadamente os vazios dos blocos. É composto de cimento, agregados miúdos e graúdos (até 9,5 mm) e água. Tem as finalidades de aumentar a resistência da parede e propiciar aderência com as armaduras. As propriedades que devem ser controladas são: trabalhabilidade (fluidez) e adequada resistência à compressão.

Armaduras

As armaduras empregadas na alvenaria estrutural são as mesmas utilizadas no concreto armado e estão sempre presentes na forma de armadura construtiva ou de cálculo. Possui as finalidades de absorver esforços de tração e cobrir necessidades construtivas.

Juntas de assentamento, de dilatação e de controle

 

  • Juntas de assentamento

As juntas horizontais de argamassa devem ser de 10 mm, podendo variar entre 8 e 14 mm de espessura para eventuais ajustes de modulação.

  • Juntas de dilatação

Devido à variação de temperatura, podem ocorrer movimentos na estrutura. As juntas de dilatação têm a finalidade de absorver esses movimentos. Recomenda-se que sejam previstas juntas de dilatação nas estruturas a cada 20 metros de estrutura em planta, ou que seja avaliado o comportamento térmico para que os esforços provenientes das movimentações sejam resistidos pela estrutura.

  • Juntas de controle

Podem ainda ocorrer deslocamentos verticais provenientes da retração e expansão dos elementos nos processos de cura, ou devido às variações higroscópicas, absorção de água pelos materiais componentes da estrutura. Para que se permitam estes deslocamentos, devem-se prever juntas de controle vertical. São comumente utilizadas onde existe uma variação brusca de carga ou espessura das alvenarias, ou conforme previsto em projeto estrutural.

Vergas e contravergas

Vergas e Contravergas pré-moldadas. (Foto: grupopremolar)

 

  • Vergas

Cinta armada utilizada sobre abertura nas alvenarias, para resistir às cargas provenientes dos elementos acima da abertura.

  • Contravergas

Cinta armada utilizada sob abertura nas alvenarias, para resistir à concentração de tensões nessa região, evitando fissurações.

  • Revestimentos argamassados

Segundo a norma NBR 13529, a definição de revestimento de argamassa é: “o cobrimento de uma superfície com uma ou mais camadas superpostas de argamassa, apto a receber acabamento decorativo ou constituir-se em acabamento final”.

Tudo a ver

Está disponível em nossa loja o livro Patologias em Alvenarias – 2ª Edição. A obra descreve de forma clara e didática as patologias e suas causas mais comuns, bem ilustradas por esquemas e fotos de casos reais, não descuidando ainda dos revestimentos argamassados.