As diretrizes para a definição da sequência de execução de alvenaria

A seguir são apresentadas diretrizes para a definição da sequência de execução de alvenaria, as quais devem ser contempladas em projeto

Anote as diretrizes para evitar qualquer tipo de erro na execução das obras. (Imagem: Pixabay)

 

  • Retardar ao máximo o início da elevação, esperando que a estrutura sofra deformação inicial em pelo menos dois pavimentos acima daquele no qual será iniciada a alvenaria;
  • Executar as alvenarias a partir de pavimentos superiores;
  • Retardar ao máximo o início da fixação na estrutura, evitando realizá-la caso a alvenaria tenha sido executada há menos de 14 dias, incorporando toda a carga permanente possível e iniciando as fixações a partir dos pavimentos superiores;
  • Para a fixação de topo da alvenaria do último pavimento, aguardar 30 dias após sua execução e fixá-lo apenas depois da instalação do telhado ou do isolamento térmico, ou, quando não for possível, executar isolamento térmico provisório e mantê-lo até a instalação da cobertura prevista;
  • Para encunhamento, pode-se utilizar cunhas de concreto pré-fabricadas – que permitem que a alvenaria trabalhe rigidamente ligada à estrutura –, tijolos cerâmicos maciços inclinados e preenchimento com argamassa expansiva; deve-se analisar a solução mais adequada para cada caso. Nas duas primeiras soluções, o espaço entre a alvenaria e a laje deve ser entre 10 cm e 15 cm, ao passo que, na solução com argamassa expansiva, essa distância deve ser de 2 cm a 3 cm. A utilização de tijolos cerâmicos maciços inclinados pode causar problema na execução de um revestimento racionalizado, por se tratar de dois materiais diferentes e com espessuras distintas;
  • Em estruturas flexíveis, sugere-se a ancoragem superior das alvenarias com insertos de aço fixados nas vigas ou lajes mediante furação, limpeza e colagem com resina epóxi;
  • No encontro de alvenarias com pilares de estruturas muito deformáveis, devem igualmente ser empregadas juntas flexíveis, para limitar a introdução de tensões nas alvenarias pelas deformações das estruturas e para evitar destacamentos em virtude das movimentações higrotérmicas do material da alvenaria. Sugere-se a aplicação de poliestireno expandido, poliuretano ou cortiça, introduzidos sob pressão, com espessura um pouco maior do que a folga. A ancoragem dessas alvenarias deve ser feita com tela metálica para evitar a transmissão de esforços e minimizar o surgimento de fissuras.

Tudo a ver

Está disponível em nossa loja o livro Patologias em Alvenarias – 2ª Edição. A obra descreve de forma clara e didática as patologias e suas causas mais comuns, bem ilustradas por esquemas e fotos de casos reais, não descuidando ainda dos revestimentos argamassados.