Coppermine: O rio que atravessa a aurora da vida

Todo o rio tem uma história e a desse cobre aproximadamente 500 milhões de anos. Veja o relato da Dra. Vivien Cumming sobre essa incrível expedição pelo Coppermine

Quando um rio começa sua vida escorrendo pela encosta de uma montanha, ele testa novas direções em busca do caminho mais fácil. A água segue a linha de menor resistência. Um rio traçando seu curso – assim como os animais atravessando uma encosta ou mesmo as pessoas a caminho do trabalho – tem uma história para contar.

Em julho, participei de uma jornada inspiradora com a equipe de Pesquisas Geológicas do Canada. Descemos mais de 200 km do remoto Rio Coppermine, no Ártico canadense, em canoas, em busca de evidências de vida precoce.

(Foto: BBC)

 

Rochas esculpidas pelo Rio Coppermine nos levaram a uma viagem através de 500 milhões de anos de história da Terra, começando há mais de 1,5 bilhão de anos, quando a vida multicelular mais antiga estava começando a emergir.

O Rio Coppermine serpenteia pela alta paisagem do Ártico, cortando o caminho mais fácil através de uma parte remota do mundo até chegar ao Oceano Ártico e ao assentamento Inuit de Kugluktuk, onde terminaríamos a epopeia.

(Foto: BBC)

 

Sempre limitados por onde o rio nos levava, começamos a entender as vidas dos primeiros exploradores, restringidos pelos ventos e pelas correntes em seus esforços para cruzar mares ou explorar vastas paisagens.

Do topo de uma montanha, escarpas podiam ser vistas expondo falésias de antigas rochas sedimentares, uma vez depositadas no fundo de um oceano e agora formando a paisagem de vastas áreas do norte do Canadá, cada camada uma cápsula do tempo de condições marinhas de um bilhão de anos atrás.

(Foto: BBC)

 

Fósseis e vulcões

Estávamos à procura de alguns dos fósseis mais antigos do mundo, fósseis microscópicos de eucariotos primitivos (um organismo cujas células têm um núcleo contendo DNA e outras organelas encerradas dentro das membranas).

Corentin Loron, um dos geólogos da viagem, procurava espécies fósseis que são novas para a ciência. “O que é empolgante é descobrir como e quando a vida se diversificou, do que o mundo parecia ter sido há um bilhão de anos atrás, o que vivia naquela época”.

Quando descemos o rio, encontramos evidências de uma enorme erupção vulcânica conhecida como o evento vulcânico Mackenzie: mais de 150 fluxos de lavas empilhados uns sobre os outros. Semelhante aos basaltos de inundação do Rio Columbia, evidências das antigas erupções aqui podem ser encontradas a mais de 2000 km de distância no sul do Canadá.

Erupções desta escala liberam enormes quantidades de dióxido de carbono e outros gases para a atmosfera e têm um enorme impacto no clima da Terra e nos sistemas de vida, causando enormes eventos de extinção como o que dizimou os dinossauros.

(Foto: BBC)

 

Após metade dos 200 km do rio Coppermine, a paisagem mudou drasticamente. Montanhas verdes formadas por infinitas camadas de lava escura, com um rio suave e largo que corria entre elas, davam lugar a cânions de arenito vermelho, de paredes mais íngremes, cobrindo as lavas.

Estruturas e minerais nas rochas revelam pistas de como foram depositados. Você pode até mesmo dizer a direção que um antigo rio corria só de olhar para estruturas formadas pelas correntes e impressas na rocha. Ripples e rachaduras de lama são preservadas para contar a história do caminho de um antigo rio fossilizado.

Enquanto o rio continuava serpenteando por desfiladeiros e desfiladeiros espetaculares próximo do nosso ponto final, chegamos a algumas rochas de arenito levemente coloridas e rochas mais escuras conhecidas como xistos, que foram depositados em um ambiente marinho sugerindo que o nível do mar deve ter aumentado.

(Foto: BBC)

 

Os folhelhos continham pequenos flocos pretos, evidência de material orgânico, sugerindo que há microfósseis preservados após o evento vulcânico. Algumas formas de vida devem ter sido capazes de viver através do enorme evento vulcânico, dando-nos pistas de como a vida era então diversificada na Terra.

Remando na cidade de Kugluktuk ficamos com uma história em nossas mentes, não apenas sobre remar em um remoto rio selvagem com ursos, mas também através de cenários feitos de pedras que contavam a história das lutas do início da vida e de como eram os ambientes em nosso planeta.

Nota: Esse texto foi escrito pela Dra. Vivien Cumming para a BBC. Veja a versão original em The river that runs through the dawn of life.

Tudo a ver

Já que estamos falando sobre rio, confira em nosso lojão o livro Geomorfologia fluvial. Nele, o Profº José C. Stevaux oferece uma sólida introdução aos processos fluviais e às morfologias derivadas, ressaltando sua importância no gerenciamento, preservação e recuperação dos rios.

Com exemplos de sistemas fluviais brasileiros e sul-americanos e pautado na ampla experiência dos autores, vem suprir uma carência na área por um livro com conteúdo atualizado que torna vívida a compreensão e quantificação dos processos fluviais.