Agricultura e Recursos Florestais

Acordo entre Embrapa e ICRISAT garante importação de germoplasma de grão-de-bico da Índia

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Instituto Internacional de Pesquisa de Cultivos para os Trópicos Semi-Áridos (ICRISAT) firmaram, no início deste ano, uma parceria que garante a importação do banco de germoplasma de grão-de-bico da Índia. Este comporá a coleção brasileira, contribuindo para o desenvolvimento de novas cultivares e para as pesquisas relacionadas ao melhoramento da espécie. 

O Brasil recebeu o total de 25 quilos de sementes de grão-de-bico da Índia. Destes, 1.853 amostras foram embaladas individualmente em embalagens contendo 100 sementes cada. O material está em quarentena na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia a fim de passar por testes em diferentes laboratórios. 

Estes têm a finalidade de averiguar a presença de pragas e demais microorganismos que possam vir a prejudicar as pesquisas. Após a realização das análises, as amostras podem enfim ser liberadas para as pesquisas em melhoramento genético. 

Grãos-de-bico espalhados em um fundo amarelo.
Atualmente, a variedade de grão-de-bico cultivada no Brasil é a BRS Aleppo. Foto: Marcus Winkler/Unsplash

Motivação da importação do germoplasma de grão-de-bico da Índia

A Embrapa pretende trabalhar com o melhoramento genético de grão-de-bico da Índia em duas frentes: a primeira consiste em, após a testagem dos materiais nas condições de solo e clima brasileiras, as amostras que demonstrarem uma adaptação bem-sucedida serão disponibilizadas como uma nova cultivar. 

Na outra frente, em médio prazo, a Embrapa pretende inserir novas amostras nos cruzamentos efetuados no programa de melhoramento genético junto com as cultivares já desenvolvidas anteriormente pela instituição, com o objetivo de desenvolver cultivares que apresentem características superiores. 

Terra com grão-de-bico brotando.
As cultivares de grão-de-bico se desenvolvem melhor na região central do Brasil, com plantio entre os meses de março e abril e colheita entre junho e julho. Foto: Gabriel P./Unsplash

O principal foco da Embrapa neste estudo é observar quais grupos de materiais são mais resistentes a pragas comuns nas lavouras de grão-de-bico, que seguem preocupando os agricultores, como a lagarta-das-vagens. 

Além disso, os pesquisadores estão focados nos materiais que apresentem, ao longo do estudo, maior resistência ao déficit hídrico e às condições de secas prolongadas, a fim de desenvolver o cultivo da espécie em regiões semiáridas e posicionar o plantio do grão-de-bico na safrinha. 

Os estudos também têm o olhar voltado ao mercado de alimentos plant-based que tem, nos últimos anos, apresentado enorme potencial de crescimento. Por isso, os cientistas querem observar os materiais que apresentarem elevado teor de proteína, a fim de facilitar o desenvolvimento desse tipo de produto. Por fim, a pesquisa visa a possibilidade de fazer do Brasil um exportador mundial de grão-de-bico.

Campo de cultivo de grão-de-bico.
Um dos objetivos da Embrapa com este estudo é tornar o Brasil um exportador de grão-de-bico. Foto: Eitan Ferman/Wikimedia Commons

Lançamento da Ofitexto cita exemplos de programas de melhoramento

Os programas de melhoramento de plantas, como o que a Embrapa está iniciando com as amostras de grão-de-bico da Índia recebidas da ICRISAT, são a organização do processo voltado ao desenvolvimento de novas variedades ou de germoplasma. 

Este assunto é amplamente abordado na oitava edição do livro Melhoramento de plantas, lançado no último dia 26 de agosto pela livraria técnica Ofitexto, em um capítulo inédito e exclusivo. 

Neste, Aluízio Borém, Glauco V. Miranda e Roberto Fritsche-Neto exemplos de programas de melhoramento de espécies autógamas, alógamas e de propagação assexuada, nas iniciativas pública e privada. O objetivo dos autores é incentivar os melhoristas em início de carreira e apresentar a estes algumas possibilidades de estratégias e planos de ação para a implantação de seus próprios cultivares.

A obra  integra teoria e aspectos práticos, propiciando uma leitura abrangente mas acessível aos estudantes de graduação em Agronomia e pós-graduação em Genética e Melhoramento, Fitotecnia e Fitopatologia, bem como aos profissionais das áreas de melhoramento de plantas e produção de sementes.

A nova edição recebeu acréscimos e atualizações, incorporando os mais recentes avanços científicos e tecnológicos. Agora, publicada pela Oficina de Textos, recebeu tratamento editorial eficiente para torná-la mais atraente e mais acessível. O livro está disponível para aquisição na versão impressa.

Livro aborda os principais objetivos do melhoramento genético de plantas
Capa de Melhoramento de plantas, publicado pela Oficina de Textos. Todos os direitos reservados.

Para saber mais

Screenshot-2021-07-13-at-13-22-24-Pre-venda-Melhoramento-de-plantas-8a-ed-Oficina-de-Texto-260x375.png