O problema de misturas no pixel

Na classificação de dados e aplicação de técnicas de sensoriamento remoto, um dos desafios é a classificação de pixels não uniformes

O modelo linear de mistura espectral tem sido utilizado em vários trabalhos de pesquisa, e atualmente é uma ferramenta importante para operacionalizar os projetos de larga escala. (Imagem retirada do livro Mistura espectral Ed. Oficina de Textos)

 

As primeiras aplicações de modelos de mistura visavam solucionar o problema de estimativa de áreas pelos métodos convencionais de classificação digital. Outra forma encontrada na literatura de utilizar os modelos de mistura espectral são as aplicações que envolvem imagens derivadas das proporções dos materiais que formam a cena.

O problema de misturas é muito crítico para a classificação de temas variados referentes à cobertura da terra, limitando de alguma forma a acurácia de classificação.

“Erros de classificação podem ocorrer quando uma área vista por um sensor multiespectral contém dois ou mais temas ou classes de cobertura, o que produz uma resposta espectral não correspondente às características de uma dessas classes”, explica o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Flávio Ponzoni.

Duas abordagens têm sido tomadas ao tratar do problema de misturas: a técnica de classificação e as tentativas para modelar as relações entre os tipos e proporções de uma classe dentro de um elemento de resolução e a resposta espectral dessa classe.

Na primeira abordagem, podem ocorrer duas situações:

  • Classificação de um elemento de resolução como uma única classe usando alguma função de decisão;
  • Não classificação dos elementos de resolução que não têm resposta característica de uma classe individual, ou seja, deixar esses elementos como não classificados.

A segunda abordagem de modelagem é mais complexa, no sentido de que tenta explicar os efeitos dos tipos e das proporções das classes dentro de um elemento de resolução (pixel) relacionadas com a sua característica espectral.

Tudo a ver

Esta disponível em nosso site a gravação da palestra Calibração de sensores orbitais. Apresentado pelo Professor Flávio Jorge Ponzoni, o talk visa trazer uma nova visão sobre o que são as imagens orbitais e como as missões de observação da Terra são estruturadas para garantir confiabilidade aos dados gerados.

Compartilhe este conteúdo

Conhece alguém interessado? Indique.