Patologia das construções e vida útil das edificações

Matéria publicada em 30.10.2019

Sabe-se que a vida útil de uma edificação habitacional no Brasil deve ser de, no mínimo, 50 anos (ABNT, 2013)

Prédio de sete andares que desabou em Fortaleza no dia 15 de outubro dava sinais de graves problemas na construção. (Imagem: Veja.com)

Essa vida útil deve ser admitida e implantada ainda na fase de produção da obra, em cada uma das etapas e por cada responsável técnico envolvido, e o usuário também possui as suas responsabilidades no processo, atribuídas durante a fase de uso da edificação.

Caso ocorra uma falha em alguma dessas etapas que contemplam o ciclo de vida de uma obra, anomalias poderão ser evidenciadas, comprometendo o correto funcionamento da edificação, promovendo uma queda do desempenho e afetando a durabilidade dos sistemas.

Leia também

Patologia de estruturas: Entrevista com os autores

Definições e nomenclaturas para o estudo da patologia das construções

É nesse contexto que surge a patologia das construções, ou seja, o estudo metodizado dos defeitos e problemas nos materiais, componentes, elementos e sistemas constituintes de uma edificação.

Sintomatologia, diagnóstico e prognóstico

Deflagrada uma “doença”, a patologia das construções visa estudar os sintomas e os indícios dessa doença (sintomatologia); identificar o problema incidente, sua consequência, suas origens (diagnóstico); recolher documentos, dados históricos da edificação e até entrevistas com moradores e usuários (anamnese); analisar as consequências evolutivas da anomalia instalada, caso o processo não seja estancado (prognóstico); e propor a solução mais adequada para corrigir o problema (terapia), sempre tentando entender o fato para que não recorra em futuras edificações, após tomadas as medidas preventivas (profilaxia).

O organograma ilustrado na figura abaixo caracteriza a sequência desde o instante da identificação do problema. Os princípios da patologia das construções também podem ser empregados e extrapolados às manutenções preventivas, preditivas ou detectivas.

Organograma do estudo da patologia das construções. (Imagem retirada do livro Patologia de Estruturas. Todos os direitos reservados à Oficina de Textos).

Nesse caso, o serviço é implantado para evitar o surgimento de uma “doença”. Isso significa que o problema, naquele instante, ainda não está incidindo, mas poderá ocorrer caso uma intervenção de cunho preventivo não seja implantada.


Tudo a ver

Amplamente ilustrado e com casos reais comentados, Patologia de estruturas vem preencher uma lacuna nesta área que visa garantir as condições de segurança e a funcionalidade das estruturas, sendo uma importante referência para estudantes, técnicos, engenheiros e arquitetos.