Patologia de estruturas: Entrevista com os autores

Matéria publicada em 15.10.2019

Nesse primeiro bate-papo, os professores Fabrício L. Bolina, Bernardo F. Tutikian e Paulo Helene falam do livro Patologia de Estruturas, o qual dizem que “virá para impactar o mercado e ser um divisor de águas no setor”

A ciclovia Tim Maia, no Rio de Janeiro, que cedeu em três ocasiões distintas, é um dos grandes exemplos recente de patologia de estruturas de concreto.(Imagem: Portal G1)

Na última terça-feira, dia 15 de outubro, a Oficina de Textos esteve presente no 61º Congresso Brasileiro de Concreto, organizado pelo IBRACON, para o lançamento seguido por sessão de autógrafos do livro Patologia de Estruturas.

Antes do evento tivemos a oportunidade de entrevistar os autores, que falaram um pouco mais sobre essa obra que vem preencher uma lacuna nesta área que visa garantir as condições de segurança e a funcionalidade das estruturas. Confira a seguir a primeira parte da entrevista.

Comunitexto: Por que decidiram escrever uma obra com o tema Patologia de estruturas?

Autores: O tema Patologia das Edificações é uma área de conhecimento extremamente nobre da engenharia civil e arquitetura, mas, infelizmente, temos poucos profissionais realmente conhecedores do tema e capacitados para realizar trabalhos. E, apesar de ser uma área com grande demanda, poucos livros estão atualizados e há poucas opções para alunos e profissionais em geral. Entendemos que este livro virá para impactar o mercado e ser um divisor de águas no setor.

A Patologia tem o compromisso de estudar e explicar os problemas que ocorrem nas obras e com isso subsidiar a Profilaxia que é a ciência encarregada da prevenção dos problemas patológicos e a Terapia que corresponde aos procedimentos de intervenção corretiva. Porém conhecendo os problemas também obtemos valiosas informações para implementar sistemas de manutenção ao longo da vida útil. Em resumo é um tema amplo que, se bem entendido, pode trazer benefícios importantes ao setor.

CT: Quais os principais destaques do livro?

Autores: Certamente a atualidade dele e a busca de ser muito forte conceitualmente, mas sempre com exemplos práticos. Ou seja, tentamos juntar a teoria e prática em todas as partes do livro, o que o torna dinâmico e didático. Mostrar a importância de uma consideração holística na formulação do diagnóstico que vai fornecer subsídios importantes a outras etapas do processo construtivo.

CT: Por que consideram uma obra indispensável?

Autores: Por ser atual, aplicada e em uma área que tem muito a crescer nos próximos anos no Brasil. Para termos uma ideia, infelizmente, são poucos os cursos de engenharia civil no país que têm uma disciplina específica de Patologia das Construções em seu currículo. E raros os cursos de arquitetura que o tem. Isso está mudando e temos convicção que este livro ajudará no processo.

CT: O livro reúne três grandes nomes da engenharia civil. Como foi o processo de escrita da obra?

Autores: Não sei se somos 3 grandes nomes, mas são 3 profissionais com grande bagagem acadêmica e com aplicações reais em obras no país e mundo. São 3 profissionais extremamente esforçados que dedicaram muitas horas na escrita do livro, e trazendo casos e experiências pessoais de anos de trabalho. O processo de escrita foi muito legal e dinâmico, foi uma escrita em 6 mãos. E sempre 2 lendo e criticando o que 1 escreveu, buscando chegar em um texto de consenso. E atingimos o objetivo!

CT: Vocês têm a intenção de evoluir a obra, abordando temas que ficaram de lado?

Autores: Não temos nada certo, mas que pretendemos, no futuro, evoluir este livro para outras áreas da Patologia das Edificações que não abordamos aqui, como as fundações, alvenarias, revestimentos, telhados. Que pretendemos lançar o segundo volume desta obra em breve aumentando o escopo. Claro, que se tiver aceitação do mercado e se este livro for um sucesso, como esperamos que seja.


Tudo a ver

Amplamente ilustrado e com casos reais comentados, Patologia de estruturas vem preencher uma lacuna nesta área que visa garantir as condições de segurança e a funcionalidade das estruturas.