Pavimentação permeável: aspectos ambientais e práticos

Segundo a Federal Highway Administration, a pavimentação permeável pode ser considerado sustentável se atinge suas expectativas como obra de engenharia

Pavimentação permeável
(Imagem: Divulgação)

Preservar o ecossistema em seu entorno em maior escala, usar recursos humanos e ambientais com eficiência e atender às necessidades humanas básicas. Essas são premissas do uso sustentável de um pavimento.

É possível considerar, contudo, que os pavimentos sustentáveis, em termos gerais de preservação de recursos naturais, energia e custos de operação e de manutenção, são aqueles que atendem pelo maior período de tempo suas finalidades precípuas sem a necessidade de manutenção pesada.

Assim, se um pavimento de concreto apresenta desenvolvimento de patologia grave em um prazo de dez anos, ele não pode ser considerado sustentável, pois sua manutenção é dispendiosa e ambientalmente danosa, sendo inferior, nesse caso, aos pavimentos asfálticos. Acrescente-se ainda que um pavimento sustentável deve empregar recursos humanos, ambientais e financeiros de maneira econômica.

Leia também

Pavimentos permeáveis: utilização sistemática pelo mundo

Diferenças entre pavimentos e asfaltos

Considerações sobre a pavimentação permeável requerem posicionamentos claros sobre materiais sustentáveis. O emprego de ligantes hidráulicos ecoeficientes, de agregados resultantes de reciclagem e de resíduos industriais, ligantes mistos e adições ativas suplementares durante a mistura agregado-ligantes-água-aditivos-suplementos deve vir à tona se, nos dias atuais, quisermos ter postura de nação tecnologicamente evoluída e de recursos humanos esclarecidos e conscientes.

Essas preocupações muito bem se encaixam no ensino profissionalizante dedicado à construção viária. Os concretos permeáveis podem compreender todos esses conceitos e métodos a fim de se tornarem um material altamente eficiente ambientalmente para pavimentação viária.

Concretos permeáveis

O concreto como material de construção é bem conhecido pelos brasileiros. Sabemos que, para construir um pavimento de concreto, é necessária a exploração de recursos naturais para a produção de ligantes hidráulicos e de agregados (cerca de 80% de seu volume), o transporte a partir das distintas localidades desses materiais para as usinas de produção do concreto (dosadoras e misturadoras que empregam água tratada) e posteriormente o transporte do concreto para a via ou a pista onde será aplicado.

Essa produção anual planetária é estimada em ¾ de metro cúbico de concreto per capita. Colocando em números, cerca de 900 kg de CO2 são emitidos para a atmosfera a cada tonelada produzida de concreto, somente na fase de calcinação (na fábrica), incluído o consumo de combustível para o forno.

Entende-se, assim, que pavimentos de concreto devam ter elevada durabilidade para compensar danos como aqueles retromencionados, visando baixo nível de manutenção. Apesar de esse discurso parecer um tanto quanto retórico no Brasil, há nova luz com os concretos permeáveis, pois com eles torna-se possível empregar recursos naturais de modo mais eficiente e mitigar problemas ambientais relacionados à impermeabilização dos solos urbanos.

Todavia, como as soluções de pavimentação “evaporam” em sua primeira introdução por causa de seu mau emprego (maus projetos ou más obras), é fundamental que novas tecnologias sejam entendidas de maneira cuidadosa, com a humilde prudência de enfrentar algo ainda pouco conhecido, e colocadas suas limitações no contexto atual.

Matéria publicada em 4.3.2020


Tudo a ver

Com impecável metodologia, Pavimentos de concreto trata dos aspectos tecnológicos dos concretos, análise de tensões das placas e pavimentos, dimensionamento e análise estrutural, avaliação, diagnóstico e manutenção e, fechando o ciclo, reciclagem do concreto.